27. Comprar ou ganhar o livro “O amor nos tempos do cólera”

Uma das minhas tarefas do projeto é atualizar sempre o meu blog. Isso não significa que eu só vou atualizá-lo para contar minhas tarefas realizadas. É que esse final de semana uma tarefa se completou. E eu vou contar, claro.
Como diz o título do post, comprei o Livro “O Amor nos tempos do Cólera”, de Gabriel Garcia Marquez.
Não saí de casa com a intenção de comprar esse livro, mesmo porque eu não tinha dinheiro para fazê-lo. O Pê passou em casa para irmos ao mercado com minha Mami, mas antes passamos no sebo, porque ele queria comprar “Os Lusíadas”, de Camões, a obra completa. Passamos num primeiro sebo e não encontramos completo, só os cantos mais conhecidos e tals. Mas quando ele olha para o lado, o que nos deparamos???
Uns cinco ou seis exemplares do livro que eu tanto queria. Por quanto??? R$12,00 (DOZE REAIS). E eu sem dinheiro.
Intimei na hora o Pê a comprar pra mim. “Depois eu dou o dinheiro para ele”, pensei. Mas não podia perder essa oportunidade. O livro novo custa quase cinqüenta pila. E tinha mais de um no sebo. Em ótimas condições. Eu nunca tinha encontrado antes um livro do Gabriel num sebo.
Esse sebo que nós fomos é novo, foi inaugurado há umas duas semanas, por aí, e é enorrrrme. Encontramos um monte de livros e ficamos morrendo de vontade de comprar todos. Tinha Estorvo, Gota D´Agua, Ópera do Malandro, do Chico Buarque, tinha outras obras do Gabriel. Tudo baratinho.
E agora vocês sabem onde eu vou comprar os vinte livros pra cumprir minha tarefa número 8?? Não vou nem contar pra não perder a graça, hein (rss)…
E vocês acham que eu já comecei a devorar o livro?? Imagina…
Ahn, o Pê achou em outro sebo “Os Lusíadas”. Por quanto? Dez pila. E ainda comprou “O Primo Basílio”, da coleção da folha que faltava pra ele, e “Esaú e Jacó”, de outra coleção, com capa dura, dourada, todo lindo. Imagina que a gente não gosta de livros, né??? Nããããão…

DEIXE UM COMENTÁRIO

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Voltar ao topo