aleatórios

171 posts

a menina groupie

Hoje estava limpando a sacada e Bruno limpando o resto da casa quando ele diz: hey Siri, play nirvana. Fui teletransportada para  20 anos atrás. rsrs até reclamei porque, porra, que fase escrota essa de 20 anos atrás. Eu era feliz sim, estudava em um colégio que sempre sonhei.  Mas eu era um peixe fora d’água.  Fiz muitos amigos naquela época, mas não tenho contato com mais nenhum. Então acho que não era tãão meus amigos assim né.  Sinto que eu também não era amiga de ninguém, então nem cobro. Mentira, tenho um grande amigo. Que inclusive é padrinho da minha filha. Mas essa é história pra outro chopp. 

Voltando ao Nirvana, um dia eu mandei uma carta para uma revista de rock pedindo para me corresponder com quem gostava de Nirvana ou Guns and rose. Recebi umas 500 cartas gente. Pensa, todo dia umas 20 cartas naquelas caixinhas de correio de metal. O carteiro me chamava no portão porque não conseguia enfiar todas as cartas ali Ahahhahaha. não respondi nenhuma. Não tinha grana pra botar selo. 

Me lembro de um moleque baterista que por um tempo foi meu primo (outra história, outro chopp) que vivia me falando: “você gosta de guns mesmo? Então fala uma música de cada CD que você gosta. Como chama o guitarrista?” Tipo tentando provar pro mundo que eu não gostava tanto assim porque afinal eu não sabia o nome dos caras, nem a comida preferida deles. Meu cú. Sefodê né. Desde aquela época os macho  hétero top tentava me calar.

E eu só gostava das músicas. Eu ouvia e curtia. Eu me emocionava com as músicas, eu dançava e queria pular quando eu ouvia. Eu sentia as músicas E eu não sabia quem era o baterista, o baixista, eu só curtia. Mas tinha 14 anos né, lá fui eu decorar o nome dos integrantes pra ter o direito de gostar.

Esses dias uma amiga  disse que ser adolescente é pertencer. Ser igual pra ser aceito. 

Minha filha tem seis anos e o que eu mais repito pra ela é bem diferente dessa frase acima. Claro que a gente precisa pertencer, mas em um grupo diverso. Não precisa todo mundo usar all star pra fazer parte do grupo (sim, eu usei e até usaria de novo). Se quiser, até pode, mas tem que partir de uma escolha.

Escolhas, ainda que idênticas dentro de um grupo, precisa partir do pressuposto do querer.  É tão difícil isso né. 

Isso sem nem entrar na conversa de que somos genuinamente diferentes mesmo, inclusive quando não optamos ser. 

Se não, fica todo mundo idiota fazendo dancinha de tik tok. 

Por um mundo em que a gente possa gostar das músicas das bandas sem conhecer o nome guitarristas. 

Do que eu sinto falta de antes de ser mãe

Eu amo ser mãe. Me encontrei na maternidade. Claro que isso não foi de cara, precisei de uns bons dias pra me acostumar com a nova vida e me entregar de corpo e alma a esse serzinho completamente dependente de mim. Hoje TUDO que eu faço é pela Clarice. Sério. O que eu como (ou deixo de comer), as compras, os projetos para o futuro. Tudo gira em torno dessa menina rs

Mas confesso que muitas vezes me pego pensando com saudosismo em algumas coisas que eu fazia antes de ser mãe. Super normal, não me sinto um ET pensando assim e sei que as escolhas da vida vem com consequencias. Não me arrependo jamais das minhas escolhas (e dos acontecimentos que eu não escolhi também, mas que Ele decidiu por mim). Mas sinto falta de fazer algumas coisas que antes fazia tranquilamente. Por exemplo:

  • Dormir: sério, eu sinto muita falta de dormir. A Clarice até dorme bem se eu for comparar com outros bebês que conheço, mas eu sempre dormi bem, e muito. Aquela cochilada sábado à tarde, aquela noite de sono pesado. Mesmo quando ela dorme seis horas seguidas eu não durmo direito. Sempre acordo pra ver se está tudo bem, pra conferir a babá eletronica. Nunca mais dormi profundamente (e acho que tão cedo não dormirei, né?) 

  • Correr: antes de engravidar eu estava no momento mais fit da minha vida. Fazendo academia com Personal e correndo. Sim, correndo. Já estava correndo 7k direto, de boa, e estava apaixonada pela corrida. Pra mim estava sendo incrível porque eu sempre fui sedentária, nunca gostei de esporte nenhum, e gostar de verdade de um exercício me transformou. Aí veio a gravidez, parei com a corrida de vez. Eu pretendo voltar a correr em breve, quando voltar a trabalhar quem sabe, arranjar um tempinho. Hoje não dá porque a Clarice mama no peito, ainda depende direto de mim. Quando eu vejo fotos de amigas em corridas, medalhas, meu coração aperta. Sei que vai ser muito difícil voltar e nem sei se vou conseguir. Mas vou tentar.

  • Me cuidar: uma coisa que eu continuei fazendo depois que a Clarice nasceu foi as unhas, todas as semanas.  Mesmo na correria das primeiras semanas, o Bruno sempre deu um jeito de me ajudar para que eu pudesse fazer as unhas (a manicure vem em casa e isso foi essencial). Ajudou muito com minha auto estima, afinal, o pós parto é um momento tenso na vida da mulher. Mas eu sinto muita falta de cuidar dos cabelos, da pele, do corpo. Meus cabelos estão caindo absurdamente. E estão secos. Minha pele cheia de espinhas, não posso usar nada porque estou amamentando. O corpo então rs sem comentários. Sem contar que tenho dó de gastar dinheiro com isso, só penso em comprar coisas para Clarice. Preciso comprar roupas novas pra voltar ao trabalho, sapatos, dar um jeito nesse cabelo, enfim, tantas coisas, mas não tenho tempo e nem disposição agora. 

  • Beber umas biritas: sim, sou dessas que bebem bebiam chopp, cervejinha, vinho, enfim, sempre com um copinho na mão. Que saudades de tomar um chopp bem gelado nesse calor. Ficar felizinha depois de tomar uns Neros. Somando o tempo do regime de antes da gravidez, mais a gravidez e amamentação, faz quase dois anos que não bebo. E sei que quando eu voltar será muito de leve, afinal tenho uma companheirinha que precisa de cuidados né. Por um bom tempo não haverá mais biritas a vontade rs

    Eu nao sofro por não fazer essas coisas, outras coisas tão boas quanto entraram na minha vida após me tornar mãe. Sei que algumas delas com o tempo eu vou voltar a fazer, o que me deixa mais tranquila. E você, tem saudades de alguma coisa que fazia antes de ser mãe? Ou não quer ser mãe justamente para não deixar de fazer alguma coisa? Nosso cérebro é nosso coração caminham juntos e as vezes batem de frente. Mas no final tudo se ajeita. 

    4 amores platônicos famosos

    Este post faz parte da blogagem coletiva do mês de maio do Rotaroots, um grupo de blogueiros saudosistas que resgata a velha e verdadeira paixão por manter seus diários virtuais. Além de temas de postagens coletivas mensais há uma imensa troca de ideias. Quem sabe assim meu blog não volta a velha forma. Quer participar? Então faça parte do grupo no Facebook e inscreva-se no Rotation.

    O tema do mês de maio é “5 amores platônicos famosos”. Eu só consegui lembrar de 4. A maioria dos meus amores platônicos são da minha infância. Depois que cresci continuei gostando de artistas e tals, mas minha mente sempre foi muito realista e nunca fui dessas de surtar por causa de algum famoso. Tem outros mais recentes que eu gosto, admiro, acompanho o trabalho e sonho de vez em quando, mas amor platônico mesmo foram esses aqui:

    Downloads copy

    √ Thomas Sennett: Meu primeiro amor. Faz todo o sentido, né? ahahah a primeira vez que vi esse filme devia ter uns 10 anos de idade e chorei tanto, mas tanto, e fiquei muito impressionada com o final. E por muito, mas muito tempo fui apaixonada pelo Macaulay Culkin. Mas no fundo no fundo era pelo Thomas a minha verdadeira paixão.

    √ Edward: outro filme que eu assisti muitas e muitas vezes e por muito tempo sentia uma coisa de amor e pena pelo pobre Edward. O que era aquele olhar? E como pode a população daquela cidade acreditar que ele tinha feito tudo aquilo e se rebelar contra ele? rs Acho que foi aí também que começou meu crush pelo Johnny Depp. De Edward a Don Juan, Jack Sparrow, John Wilmot (um dos melhores), Willy Wonka e Chapeleiro Maluco (e tantos outros mais), acho que ele conquistou o pódio de ator favorito do meu coração. rs

    √ Jon Bon Jovi: OMG! Como eu gostei desse cara ahahah Tinha até pasta de plástico com pôsteres, notícia de jornais, revistas e tudo mais. TUDO que saia dele eu comprava (numa época que a internet era somente um sonho). Eu já gostava dele mas foi quando ele lançou o CD solo Destination Anywhere que o amor aconteceu de forma mais intensa. Que homem, gente! ahahah Que voz, que sorriso é esse? Eu lembro que ele foi no Programa Livre e uma menina tomou um chá numa xícara que ele tinha tomado. MORRI DE INVEJA. Sério! ahahaha

    Abrindo a cortininha da vergonha a partir de agora:

    √ Marcelinho Carioca: sim, eu AMAVA o pé de anjo ahahah Eu adorava o corinthians quando eu era mais nova. Via os jogos, sabia quem eram todos os jogadores e fui até o Pacaembu ver um treino e conhecer os jogadores e técnico (na época o Oswaldo Oliveira). Eu peguei autógrafo de todos. Tinha uma pasta com um monte de coisas do time e, em especial, do Marcelinho Carioca ahahah. Sério. Revistas e pôsteres. Nem eu acredito nisso ahahahah

    Tá aí minha listinha!

    Qual é o seu estilo?

    Vocês já se perguntaram isso alguma vez? Digo vocês pessoas normais como eu, que tem orçamento limitado para manter um bom visual para trabalhar, sair a noite, ficar em casa, almoçar na casa do sogros e por aí vai.

    Eu andei reparando em mim recentemente, principalmente por conta de umas comprinhas que fiz na viagem, e cheguei a seguinte conclusão: meu estilo é um tédio. ahahahha. Sério. Olha só:

    As cores básicas das minhas roupas são: preto, cinza, azul e marrom

    As cores básicas dos meus sapatos são: preto, azul, bege

    Minhas cores favoritas de sombra: prata, cinza escuro, bege, marrom, preto

    Sem graça né? Tenho algumas peças de roupas coloridas, mas o basicão é assim mesmo. Pra trabalhar, sair a noite, almoçar fora, sempre mais ou menos a mesma coisa.

    Isso me fez chegar a uma conclusão nas últimas férias: fiz aquela limpeza no guarda roupa e deixei somente as peças que eu realmente uso. Ninguém melhor do que eu para saber que aquele vestido guardado há uns quatro anos no armário esperando um dia para ser usado, não vai ser usado, né? Embarcando na ideia do menos é mais, estou tentando deixar somente as coisas que eu realmente uso, e assim  tenho mais opções usáveis no meu guarda roupa, certo?

    Desde que decidi pensar mais a respeito de muitas coisas na minha vida (faz pouco tempo isso, estou engatinhando nessas decisões – e é assunto para outro post), precisei fazer alguns ajustes em casa. Esse post nesse blog me ajudou também em relação a compras. Claro que ele não determinou o que irei fazer a partir de agora, mas me ajudou em algum momento da minha nova direção.

    Então fiz a limpeza e muita coisa foi (e ainda vai) pra doação. Inclusive bolsas e sapatos. Antigamente comprava bolsas sempre que achava bonitinho. Hoje em dia, invisto um pouquinho mais em uma bolsa que sei que vai durar anos. Atualmente tenho cinco favoritas (três pretas, uma marrom xodó master e uma laranja e bege). São o suficiente para mim.

    Sapatos eu gosto bastante, uso muito peep toe para trabalhar. Eles são confortáveis e apesar do salto, consigo ficar bem com eles, pois não ando muito no trabalho e fico bastante tempo sentada. É o único item do meu vestuário mais tchã, se é que me entendem rs. São os meus favoritos. Para ficar em casa, opto por sapatilhas ou melissas. Bonitas e confortáveis.

    Tá vendo como meu estilo é básico mesmo? Se eu pudesse teria um closet enorme com roupas lindas, muitas opções, mas tenho certeza que seria tudo bem parecido rs. Quando eu gosto de uma roupa, compro três peças iguais, as vezes somente de cores diferentes. Sapato é a mesma coisa. rs Mesmo modelo, cores diferentes.

    Olhem esses três sweaters que eu comprei na Macys em NY por vinte doletas cada (acreditem, o preço estava demais, né?):

    DSC_0511 copy

    Tres iguaizinhas: só mudam as cores. E acreditem em mim, essas são algumas das poucas blusinhas com cores diferentes no meu armário rs

    Outra coisa que me ajudou bastante nesse processo de saber tudo que eu tenho no guarda roupa (e usar) é  o cabide. Parece bobo, mas realmente faz a diferença. Comprei os cabides de veludo na loja OZ, online mesmo (e depois descobri que nas Lojas Americanas também tem pra vender – só que é um pouco mais caro). Eu já queria esses cabides porque eles deixam as blusinhas certinhas e elas não escorregam. Me dava uma raiva quando eu abria o guarda roupa e tinha blusinha caída por que não parava no cabide rs. Segundo, com todos os cabides iguais parece que o guarda roupa cresce: sério, além de bonito eles poupam espaço. E terceiro, você consegue visualizar com uma olhada todas as blusas penduradas. Maravilha, não? Vale a pena pagar o preço.

    Estou no direito agora de repor umas peças de roupas/sapatos, principalmente para trabalhar. Não me preocupo muito com as roupa que fico em casa ou saio aos finais de semana, mais com a roupa de trabalho mesmo, pois trabalho em um ambiente mais formal. Minhas opções:

    Minha marca favorita de sapatos peep toe: Lara. Antigamente se chamava Lara Costa, não sei porque agora é só Lara. rs O preço é super legal, a qualidade excelente e o tamanho 33 é perfeito para o meu pé. Sim, eu calço 33 rs. O primeiro e o terceiro eu comprei. O segundo estou desejando absurdamente. O quarto é da marca Vizzano, tenho alguns também e são ótimos, mas a Lara ganha. Todos eles tem outras opções de cores que eu também queria, principalmente o primeiro. Eu queria o azul e o bege rs. Mais uma vez meu super estilo dominando.

    Uso bastante calça social também por causa do trabalho. Havia comprado algumas novas em nov/dez que estão ainda ótimas, mas devido ao meu processo de emagrecimento estão todas ENORMES. No início da semana separei SETE para apertar. Duas não deu porque estavam muito grandes e se apertassem iam ficar deformadas (já foram para doação). Ontem já separei mais cinco. Cores super ousadas (só que não ahahah). Essa da ponta direita é número 42 e está grande. Pensa numa pessoa feliz.

    DSC_0504 copy

    Quanto as blusinhas, sou BEM basicona mesmo. Modelos simples, lisos, as vezes umas listras, cores mais sóbrias. Pra vocês terem uma ideia, comprei várias na viagem. Quando fui tirar as etiquetas, vi que tinha somente nas cores cinza, preta e azul. Só essas cores. rs. Com exceção daqueles sweaters ali em cima, né? rs

    Então, esse é meu estilo de vestir. Claro que tudo isso é completamente influenciado pelo meu ambiente de trabalho. Se eu pudesse, trabalhava de jeans e tênis mesmo rs. Mas eu gosto de me arrumar assim. Em breve volto falando de meus produtivos de beleza favorito. E vocês, já pararam pra pensar qual seu estilo? Já tentaram focar naquilo que vocês realmente gostam? No final das contas, o guarda roupa fica muito mais amigo e aquela história de não tenho nada pra vestir vira lenda rs.

    App Deezer

    deezer

    Alguém aí ainda não ouviu falar do Deezer? Se ainda não, não sabe o que está perdendo.

    Meu querido futuro marido Bruno que me apresentou esse aplicativo depois de se encantar.

    Deezer é um app para se ouvir músicas por streaming. Mas não é só isso. Há inúmeras possibilidades ali rs.

    O app é gratuito mas para ter acesso a todas as funcionalidades é necessário pagar uma assinatura mensal. Os primeiros quinze dias de utilização são grátis, então você pode testá-lo para ter certeza se realmente gostou. No primeiro dia já adorei. Todas as músicas que eu pesquisei, encontrei. Você pode simplesmente ouví-las por streaming ou montar sua própria playlist. E o melhor: você consegue sincronizar no aparelho e ouvir offline. Eu até gosto da rádio itunes, mas não dava pra ouvir fora de casa sem comer todos os megas do meu plano de internet no celular. E como gosto de ouvir música nas minhas corridas caminhadas, deu certinho. Você consegue fazer a sincronização de álbuns completos. Isso é demais!

    Só por conta dessa possibilidade já quis assiná-lo. Aí então vi que podia seguir as playlists de amigos, fiquei mais empolgada ainda. Já montei várias playlists e SEMPRE encontro a música que quero ouvir. Desde System of a Down até Chico Buarque, Pato Fu, Vanessa Popozuda e por ai vai.

    E tem mais: escuto no imac e no celular. A interface é incrível, enquanto escuto músicas procuro outras, edito minhas playlists, enfim, coisa de louco. Eu assinei pelo site e é baratinho. Se eu não me engano pago oito reais por mês e debita direto no cartão através do paypal. Ultimamente não estava mais baixando músicas e quando eu queria alguma específica, acabava comprando no itunes mesmo. Já compensa o valor imediatamente.

    Já me imagino fazendo listas para ocasiões especiais, tipo Natal, aniversário, para as crianças. Ontem mesmo Bruno fez uma lista especial com umas músicas dance de antigamente. Ele e o primo ficaram doidos ouvindo as músicas de baladas da época deles (os velhos, né? rs). Está até agora ouvindo as músicas rs. E ainda a gente liga bluetooth e escuta no carro. Bruno também comprou uma caixinha de som bluetooth super potente, quando quer ouvir música mais alto, só ligar o celular lá e pronto. Sem fios e mesmo sem acesso a internet.

    Você pode ainda ouvir rádios específicas por tema ou artista por exemplo. Ahn tem muita coisa, vale a pena. Pra quem não conhece, baixe o aplicativo (tem pra iphone e android) e depois me conta o que achou. Eu adorei e acho que nunca mais vou fazer download de músicas / cds.