filmes

44 posts

Top 5 – filmes que me fizeram chorar

Esses dias estava conversando com o Bruno a respeito de alguns filmes que me fizeram chorar. Tudo bem que não precisa de muito pra me fazer chorar, mas alguns filmes me fizeram chorar de soluçar. De ficar malzassa depois de assistir, de tanto que o filme mexeu comigo. Foram mais de cinco, mas aí os principais:

Meu Primeiro Amor

É o primeiro filme que eu me lembro de ter chorado de soluçar. Quando o Thomas J. foi atacado pelas abelhas eu senti tanto. E tipo, chorei pra CARAMBA. Até essa cena o filme é divertido. Narra a história de Vada Sultenfuss e sua obsessão pela morte. Ela não tem mãe (morreu no parto), se sente culpada por isso e seu pai não a compreende direito. Sua avó garante uma das cenas mais engraçadas no filme (eu tenho ritmoooo, e a música, tenho meu homem, o que mais poderia querer?).

Nas férias de verão com seu amigo Thomas ela aprende o que é se apaixonar por alguém, mas aprende também a lidar com a perda.

Acho que eu e minha irmã assistimos umas cinquenta vezes esse filme. A gente decorou as falas, as músicas (em portugues, claro, assistíamos dublado). Até hoje cantamos as musiquinhas do filme.

O Rei Leão

Não precisa de muita explicação esse filme, né? Acho que foi um dos filmes de desenho que mais assisti na minha infância (junto com Aladin e a Menina e o Porquinho). E toda vez que eu via o filme, na cena do Mufasa morrendo, eu chorava. Chorava porque sabia que o Scar ia dominar o reino, porque o Simba ia sofrer e abandonar a Nala, porque o Mufasa não ia ver o Simba virando rei….

Também assisti dezenas de vezes junto com a minha irmã. As musiquinhas estão na ponta da língua até hoje.

A espera de um milagre

Esse filme eu lembro de ter pego na locadora perto de casa e veio duas “fitas”, porque o filme era muito grande. Eu, a Kênia, uma amiga de infância e minha irmã estávamos em casa, na sala, para assistir o filme. E ficamos tensa o tempo todo, o filme é meio claustrofóbico, passa a maior parte do tempo na prisão. O filme trata de relacionamentos, (in)justiça e pena de morte. Até aí já é justificativa para ser um suspense legal. Mas a maneira que a história é contada (o filme é uma adaptação de um Best Seller de Stephen King) vai fazendo com que a gente se apegue ao prisioneiro e ao guarda. E no final, aquela cena toda no corredor da morte, só me restou chorar. E chorar. Pra caramba.

Dançando no Escuro

Assisti esse filme com o Bruno. Não tinha ideia do que se tratava o filme antes de vê-lo. Sabia que era um musical, que Björk atuava e mais nada. Selma Jezkova é uma mãe-solteira tcheca que foi morar nos Estados Unidos. Ela tem uma doença hereditária que a faz perder a visão, algo que também deverá acontecer um dia a seu filho. Ela sabe que nos EUA  existem médicos nos Estados Unidos que podem operar seu filho, por isso imigrou para aquele país. Ela trabalha muito duro e guarda tudo o que ganha para a cirurgia do filho. Seus vizinhos, juntamente com uma colega de fábrica, a ajudam no que é possível, mas quando um dos vizinhos se vê em dificuldades financeiras rouba o dinheiro que Selma tinha economizado duramente. Este roubo é o ponto de partida para trágicos acontecimentos. E são esses trágicos acontecimentos, juntamente com o corredor da morte e aquela música na hora que me fez chorar copiosamente.

Uma prova de amor

O filme que mais recentemente me fez debulhar em lágrimas foi Uma prova de Amor. Conta a história de Ana, que devido a uma leucemia de sua irmã foi concebida através de uma fertilização in vitro para ajudar a irmã. Desde que nasceu ela é doadora de sangue e medula, e aos onze anos contrata um advogado para ganhar emancipação médica, pois está cansada de ser perfurada para ajudar a irmã. A mãe, que abandou tudo para cuidar da filha, fica horrorizada com a decisão da filha e como era advogada antes de abandonar a carreira, decide lutar contra essa ideia da filha.

O filme é extremamente tocante, fala de um assunto tão presente na vida de tantas pessoas. Tem cenas super fortes emocionalmente, como na hora que o pai tira a filha do hospital pra ela ver o mar. Chorei pra caramba e acho que não assistiria de novo.

E vocês, quais filmes te fizeram chorar?

TBBT + HP + árvore de natal

Bruno e eu temos um ritual. Aliás, temos vários, mas o que eu vou descrever agora é um dos mais legais. Todo mundo sabe que somos sériemaníacos (confesso que sou muito mais que ele).  Na quinta feira, quando o episódio de The Big Bang Theory sai, o Bruno já baixa. E ficamos na expectativa de termos umas horinhas livres em casa para assistir. Normalmente na sexta, sábado ou domingo seguinte. Sempre assistimos o episódio da semana anterior (de novo) e depois, o novo. Raras as vezes que os episódios se acumulam. É im-pos-sí-vel não rir com Sheldon.

Amo suas risadas estranhas, seus comentários sinceros e fora de hora, suas camisetas e seus bazzingas. Claro que os outros personagens complementam a série mais NERD e engraçada.  As minhas risadas se transformam em gargalhadas com as investidas nas garotas por Howard ou os comentários inocentes de Rajesh Koothrappali. Leonard é o meu herói, porque para aguentar o Sheldon não é fácil. O Bruno tem um percentual pequeno de Sheldon nas veias e olha, não é fácil. Imagina o original? LOL. E Penny, êta menina linda e encantadoramente burra (aos olhos dos nerds, claro).  Seus diálogos com o Sheldon são os melhores.

Vocês se identificam com as cenas, falas, piadas, etc? Por aqui a identificação é incrível.

Eu escreveria tantos outros detalhes que me divertem , mas só quem assiste iria entender. E se você não assiste ainda, está perdendo tempo. Nâo há quem não se divirta (eu garanto).

Eu poderia citar outras várias séries que assisto, como Grey´s Anatomy, House, Criminal Minds, Dexter, Fringe, Lie to me, Gossip Girl, mas deixa pra próxima.  Eu disse deixa pra próxima? tsc tsc tsc.

By the way, a primeira parte do último livro da saga do bruxinho (odeio quem fala assim LOL) está quase aí. E pra não perder nada (e morrer de ansiedade pela última parte que só sai em julho do ano que vem) eu acabei de reler todos os livros. #alocka E estou assistindo todos os filmes (que mesmo achando muuuito aquém dos livros, adoro).

Se tem uma coisa que Harry Potter faz com você é devorar seus livros. Incrível como não dá pra largar. E o Bruno NUNCA leu e diz que não gosta. Ninguém é perfeito, né?

E pra finalizar o post com notícias do apê, agora nós temos árvore de natal. Não, nós ainda NÃO mudamos, mas e daí? kkkk A árvore está pronta.

Fomos à São Paulo semana passada fazer umas comprinhas de final de ano, e achei uma loja incrível de coisas natalinas. Os enfeites são a coisa mais linda do mundo. Comprei tudinho, até pisca de led #chyque

Chegando em Bauru compramos a árvore no wall mart e voillá: uma árvore linda, só esperando seus donos kkkkk

Férias

Aproveitei as promos do submarino e fiz comprinhas de livros #amo Quase tudo R$9,90. O primeiro do Harry Potter comprei porque emprestei para a filha de uma amiga e ela não devolveu. #fail. Jane Austen (queria MUITO ler esse livro, acreditam que nunca li NADA dela? Sugestões nos comentários, please LOL), A última música do Nicholas Sparks (que eu já li, depois conto o que achei) e o Cronicas de Nárnia (estou lendo). Comprei também a Bio da Madonna (por 9,90 também), mas dei pro Bruno. Vou ler depois!

Aluguei vários filmes pra assistir nessa semana, todos aqueles que quando eu quero alugar o Bruno fala  “a gente vê depois”. Tá!

Tinha também Um sonho Possível, com a Sandra Bullock, esse não deu tempo de ver e o Bruno copiou pra mim, vou assistir amanhã. Julie & Julia (que eu amei demais), Simplesmente Complicado, Idas e Vindas do Amor e Uma Prova de Amor (chorei o filme inteiro, afff).

Depois conto os detalhes do que achei. Super gostei dos dois com a Meryl Streep, ela é demais, né?

Quem disse que eu só estou resolvendo pepinos nas férias?! Já adiantei VÁRIAS coisas da minha to do list e até semana que vem termino tudo (tem coisas que não dependem de mim). Ahn, como é bom o ócio criativo!

Shrek para sempre, Prince of persia

Se tem um lugar que eu e Bruno vamos sempre é o cinema. Junto com nosso casal favorito de amigos, Betinho e Fer, batemos cartão por lá na maioria das vezes no domingo a noite. Tem maneira melhor de fechar o final de semana?

Shrek para sempre

Sinopse: Depois de desafiar um dragão diabólico, resgatar uma linda princesa e salvar o reino de seus parentes, o que mais pode um ogro fazer? Bem, se você é Shrek, logo se torna um pacato homem de família. Em vez de assustar os aldeões como costumava fazer, um relutante Shrek agora se contenta em autografar ancinhos. O que aconteceu com o rugido deste ogro? Com saudades dos dias em que sentia um “ogro de verdade”, Shrek é enganado e assina um pacto com o negociador cheio de lábia Rumpelstilskin.

Shrek repentinamente se encontra em uma versão modificada e alternativa de Tão Tão Distante, onde os ogros são caçados, Rumpelstilskin é rei e Shrek e Fiona nunca se conheceram. Agora, depende de Shrek desfazer tudo que fez para salvar seus amigos, trazendo de volta seu mundo e recuperando seu Verdadeiro Amor.

O que eu achei: Sem comparação com os dois primeiros filmes, o quarto filme do ogro mais encantador e engraçado não foi lá essas coisas, mas eu me diverti. Fui ao cinema nem esperando muita coisa, afinal no twitter já tinha lido algumas críticas, mas eu realmente gostei do filme. Acertaram na trilha sonora e o gato de botas conseguiu me tirar umas boas gargalhadas, assim como o burro. As cantorias dele são muito engraçadas. Vale a pena assistir para conferir o último filme da saga (pelo menos é o que estão falando, né?).


Prince of Persia

Sinopse: Da equipe que levou a trilogia de Piratas do Caribe para as telas do cinema, Walt Disney Pictures e Jerry Bruckheimer Films apresentam ‘Príncipe da Pérsia: As Areias do Tempo’, um épico de ação e aventura ambientado na mística Pérsia. Um príncipe guerreiro (JAKE GYLLENHAAL) relutantemente une forças com uma misteriosa princesa (GEMMA ARTERTON) e, juntos, eles lutam contra forças obscuras para salvaguardar uma antiga adaga capaz de libertar as Areias do Tempo – um dom dos deuses que dá à pessoa que o possui o poder de controlar o mundo.

O que eu achei: Pensa em uma pessoa doida pra ver o filme por causa do jogo. Era o Bruno. O filme tem efeitos incríveis e a história é legal (tirando a adaga com o botãozinho mágico).  A atriz que fez a princesa, mesma que fez Fúria de Titãs é tão linda que dá raiva rsrsrs E o Dastan, ahn Dastan!

G.I. Joe + A proposta

G.I.Joe

Sinopse: Das montanhas da Ásia Central aos desertos do Egito, passando pelas ruas lotadas de Paris e por baixo da calota polar do Polo Norte, o grupo de elite de agentes conhecido como G.I. Joe embarca em uma aventura sem fim usando as mais modernas tecnologias de espionagem e equipamento militar para evitar que o comerciante de armas Destro e a crescente ameaça da misteriosa organização Cobra levem o mundo ao caos. “G.I. Joe”: a mera menção deste nome imediatamente remete a imagens de heroísmo, patriotismo e ao tipo de rigor necessário para fazer o que deve ser feito. Criado em 1964 pela Hasbro, foi em 1983 que G.I. Joe encarou sua maior mudança, passando de um boneco de 30cm para um de 9,5cm, mais comum na época. G.I. Joe foi também de “ele” para “eles” – uma equipe de elite de combatentes do mundo todo, cada um com especialidade e aparato próprios.

O que eu achei: Com efeitos especiais hollywoodianos, era de se esperar um filme com bastante ação. Foi legal relembrar os símbolos dos brinquedinhos da época de infância, e apesar da história ser um tanto quanto “viajada”, o filme é bem legal. Vale a pena assistir.


A Proposta

Sinopse: Sandra Bullock interpreta Margaret Tate, uma imigrante canadense que cria um clima difícil e complicado entre seus subordinados no escritório em que trabalha. Quando chega a notícia que ela está prestes a ser deportada para seu país, Margaret apressa-se em conseguir um casamento de conveniência com seu jovem assistente Andrew Paxton (Ryan Reynolds) para impedir que tal calamidade ocorra.

O que eu achei: Um filminho água com açucar, com alguns momentos engraçados. Uma comédia romântica que nos deixa torcendo pelo final feliz (que sempre acontece). By the way, a Sandra Bullock está cada dia mais linda. Tem uma cena que ela aparece nua, só tampando a pirigueti, e meodeos, corpaço super em cima. Nem parece que a nega tem mais de 40 anos. Legalzinho.

Lua nova

81357Lua Nova

Sinopse: No dia em que Bella completa 18 anos, Edward Cullen e sua família abandonam a cidade de Forks para protegê-la dos perigos do mundo sobrenatural. Já então em seu último ano letivo e com o coração partido por ter sido abandonada, Bella descobre uma perigosa maneira de manter contato com Edward e é então que decide levar essa situação às últimas consequências, contando com a ajuda de seu vizinho Jacob Black, membro da misteriosa tribo dos Quileute.
Vivendo cada vez mais cercada de perigo, uma série de acontecimentos faz com que Bella descubra o segredo dos Quilheute. Em uma corrida contra o tempo, ela encontra o seu grande amor em uma situação que nunca poderia imaginar.

O que eu achei: Com uma qualidade muito superior a do primeiro filme, Crepúsculo, Lua Nova realmente me surpreendeu. Primeiro porque a história está melhor contada, os detalhes mais aparentes e o lobo e o vampiro mais incríveis do que nunca. Apesar da Bella continuar aquela chata insuportável, achei que a atriz melhorou um pouco sua interpretação. A trilha sonora é uma das coisas que mais gosto do filme. Vale ressaltar que eu sou team Jacob desde sempre. Realmente, vale a pena ver. Agora é esperar por Eclipse. Falta muito pra junho de 2010?

Super recomendo: 9 a salvação

9---A-Salvacao“9”, a salvação

Sinopse: Quando o boneco 9 ganha vida, ele se encontra num mundo pós-apocalíptico em que os humanos foram dizimados. Por acaso, encontra uma pequena comunidade de outros como ele, que estão escondidos das terríveis máquinas que vagam pela Terra com a intenção de exterminá-los. Apesar de ser o novato do grupo, 9 convence os demais que ficar escondido não os levará a nada. Eles devem tomar a ofensiva se quiserem sobreviver e antes disso, precisam descobrir por que as máquinas querem destruí-los. Como eles saberão em breve, o futuro da civilização pode depender deles. Produzido por Tim Burton.

O que eu achei: As pequenas criaturas feitas com saco de estopa e olhos da câmara de íris me encantaram. Uma animação de tirar o fôlego, o aspecto visual é o que mais chama atenção. E isso se explica através de um nome: Tim Burton.

O filme parece tão real que deu vontade de pular na tela do cinema e pegar um dos personagens pra mim. Totalmente metafórico, os olhares entre os stitchpunks valem mais do que qualquer diálogo do filme. Cada um dos nove tem um estilo próprio e passam perfeitamente a mensagem que lhe foi cabida.

nine_mosaic

O filme parece, ao meu ver, querer passar a mensagem que, embora nos esforçamos muito para avançar na tecnologia, não podemos jamais nos perder durante esse processo.

Eu li várias críticas antes e depois de assistir ao filme, e uma frase resumiu perfeitamente a idéia do filme:

Um filme para ser visto com a mente aberta e sem expectativas de mega produções, comédias ou entretenimento elitista. O que vale aqui é deixar-se guiar pelos valores que você acreditar. E a menos que você seja um robô, não tenha dúvidas que estará do lado certo. (portal de cinema).

Super recomendo, vale muito a pena. Só uma observação: no dia que assistimos, tinha vários pais com crianças, algumas  menores de 10 anos. A recomendação do filme é para crianças acima de 10 anos. Eu achei que realmente não é um filme infantil, e mesmo que os pais queiram levar, eu acho que não é um filme que a criança vá entender. Pode apenas gostar dos “monstrinhos de estopa”. ^-^